quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Vinho do Atacama - Ayllu


No meu diário de bordo desse início de ano registrei minha vontade (frustrada) de visitar uma vinícola no Atacama (Chile). Estava de férias, mas tinha incluído essa possibilidade. 

Trata-se da Viña Santa Romina que fica em Toconao.  

A história nos conta que com a chegada dos espanhóis na região e a tentativa de evangelizar os atacamenhos (ou lickan antay) introduziram as primeiras videiras há mais de 400 anos para obter vinho para a realização das cerimônias religiosas.

Durante algum tempo cultivavam a variedade país e mais de 4 tipos de moscatel, produzindo um vinho conhecido como Criollo com um sabor doce e alto teor alcoólico. Hoje em dia, com o apoio do SQM (Sociedade Química e Mineira do Chile), ampliaram os estudos de terroir e vinho. Pelo inicio do século XXI, 20 pessoas se envolveram nos projetos de vinho de família e formaram uma cooperativa que hoje produz 7.000 litros e mais de 25 tipos de vinho de maneira natural, expressando a personalidade única do deserto em cepas como syrah, malbec, petit verdot e pinot noir , chardonnay e moscato. E o vinho sai com o rótulo Ayllu
Acabei perdendo a oportunidade de provar o vinho, pois na volta de um dos passeios passamos em Toconao e havia uma garrafa numa barraquinha, mas achei caro, cerca de R$ 85,00 (15.000 $CLP), não comprei pensando poder encontrar em San Pedro do Atacama por um preço melhor, não encontrei o vinho. Triste!

Porém triste mesmo fiquei por não ter ido a visita, ocorre que (parece) só uma agência fazia o “tour do vinho”, que, segundo o dono da agência - um brasileiro, por uma “coincidência” tem o mesmo nome do vinho “Ayllu”.
Acabei optando por não ir pelo preço, éramos três pessoas e para cada uma sairia algo em torno de R$ 530,00 (92.500,00  $CLP - valor do passeio $80.000 + entrada: $2.500 Laguna Chaxa + $10.000 Vinícola) por cerca de 4 horas incluindo uma taça do vinho e salgadinhos, comparativamente havíamos feito um tour de dia todo (Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas) com café da manha e almoço por cerca de 1/3 do valor.

Sobre o que não vi há um relato bem interessante no blog Flavia Bia Expediciones
Para saber mais sobre a produção do Atacama acesse a matéria da Revista Adega

A impressão que tive, durante toda a viagem é que apesar do chileno reconhecer o vinho como um produto muito importante para seu país, não se trata de algo com tanto orgulho. Sobre o Atacama, acredito que algo como um vinho produzido em lugar tão exótico e difícil deveria ser motivo de orgulho para a produção chilena e careceria de mais cuidado, ser explorado sim (é turismo), mas não super faturado.
Enfim quem sabe numa próxima encontramos um ambiente mais favorável, palatável, aprazível e acessível!

Se beber não dirija! |A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...