sábado, 27 de fevereiro de 2021

Conheça Alexandre Santucci, palestrante e idealizador do mais antigo blog de vinhos do Brasil

 publicado no dia 26/02/2021 (texto reproduzido na integra, veja o original aqui)

Conheça Alexandre Santucci, palestrante e idealizador do mais antigo blog de vinhos do Brasil


Há mais de 25 anos se dedicando a educação etílica, o profissional é autor do livro que leva o nome de sua página na internet: Descomplicando o Vinho



Não há dúvidas de que uma das bebidas mais adoradas pelos brasileiros, e por habitantes de todo o mundo, é o vinho. Seja seco, suave, tinto ou branco, não é difícil encontrar pessoas que apreciem essa bebida secular e que harmoniza com diferentes sabores e texturas da culinária global. Dedicar-se aos estudos e entender o mercado que envolve o Vinho são tarefas em que Santucci, como é conhecido se empenha há mais de duas décadas. 

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

BOURGOGNE

Os Elegantes Vinhos da Borgonha.


A “Bourgogne” é a terra natal da Pinot Noir e da Chardonnay, onde estas castas atingem o ápice de sua expressão. São vinhos sem igual, que podem ser muito elegantes e complexos, talvez o melhor produto do mundo que expressa o conceito de “terroir”

É também da Borgonha o maior ícone dentre produtos e produtores: o Romanée-Conti

Na Borgonha, o sistema de denominações é amplamente baseado no conceito de “terroir”. Elas se dividem em denominações (da mais simples a mais importante) Regionais, Distritais, Comunais, Premiers Crus e Grands Crus.

 A Borgonha se divide basicamente, nas sub-regiões de Chablis, na Côtes de Nuits e Côtes de Beaune (que juntas formam a famosa Côte d’Or), na Côte Chalonnaise e no Mâconnais. Mais ao Sul está Beaujolais.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

GRAPPAS

A Água de Cleópatra?

 

imagem da internet (gazetadopovo.com.br)

Dizem que a origem da Grappa vem do Egito: Um legionário romano de volta para casa havia furtado um artefato de destilação chamado de “Crisiopea di Cleopatra” e iniciou o processo de produção do seu aguardente nas terras do Friuli (norte da Itália). Com uma amostra da bebida egípcia e o equipamento iniciou sua produção datando o século I A.C..

Mas, o destilado semelhante mais próximo do Grappa que conhecemos hoje está localizado na Toscana (Itália) por volta do século XVII. Na verdade, o nascimento da Grappa pode ser datado do século XIV, quando a aguardente foi desenvolvida em alambiques, o que deu um passo importante para se fazer destilados. Por essa razão outras versões afirmam que a Grappa era feita em conventos italianos no século XI.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

ROSÉ E TENDÊNCIAS

Essa é uma época do ano que os vinhos refrescantes são sempre uma bela pedida, os espumantes como as cavas, os brancos e clara os rosados, mas e pra quem gosta de um pouco mais de corpo, força?


Para a nossa sorte o universo do vinho é tão rico e abundante que encontramos sempre uma alternativa para agradar nosso paladar e o melhor ainda desse mundo é que não para em termos de novidades, novos produtores e produtos. 

Talvez o que venha por aí são os vinhos tranquilos e principalmente espumantes em latas, belos vinhos em bag in box (embalagens de 2, 3 e 5 lts equipadas numa estrutura de caixa de papelão e o vinho envazada numa bolsa de material tetrapack que permite sua vida prolongada mesmo depois de aberta através da torneira acoplada). Agora o que é uma tendência que dia a dia se torna realidade são os vinhos rosés retomando com muita força e os vinhos “ICE”, aqueles produzidas para se beber com gelo, exatamente, você deve adicionar gelo à taça e beber. São vinhos tranquilos, habitualmente leves, ligeiramente doces e também espumantes com características semelhantes.

Mas por que o rosé retoma com força?

quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

Rolhas: Cortiça, Sintética, de Rosca ou de Vidro?

 

imagem da internet (paladar.estadao.com.br)

 Para que serve a rolha?

As rolhas asseguram a vedação do vinho na garrafa. Com o tempo o baixíssimo teor de oxigênio no interior da garrafa será suficiente para atacar o líquido e aos poucos o mesmo ir se transformando. É o necessário para fazer evoluir o vinho corretamente.

“Esse processo fará com que uma pequena reação de vida aconteça, uma micro oxigenação, uma micro oxidação e transformará também uma parte liquida em sólida, por isso em vinho mais velhos encontramos borra, os cristais, que são os sedimentos dessa ação (a borra também é encontrada em uma parte de vinhos face ao resultado de não serem filtrados).”

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

CHAMPAGNE, ESPUMANTES E DRINKS DE VERÃO

 O eclético vinho!

imagem da internet (vipturismolondres.com)

Desde o principio o vinho sempre foi uma bebida nobre e em muitos momentos para os nobres. Em realidade não havia, durante muito tempo, outro pensamento quando se falava de bebidas.
Por conta do álcool o vinho já teve seu uso medicinal, uma espécie de analgésico e na sequencia um remédio quando misturado com ervas, se imaginava que essa combinação alcançaria a cura ou aliviaria determinadas dores. Com o avanço da medicina esse uso foi abandonado, mas ficou essa memória do “misturar” ao vinho e partir disso nasceram algumas bebidas milenares como o licor Dom Beneditino (Benedictine) e os amargos fernets.

Outro fator interessante é o econômico, consta que em momentos de crise, muitos impérios misturavam água ao vinho para render mais, os nobres ou donos ficavam com o melhor do vinho e servia o vinho misturado aos convidados. Consta que esse hábito das cortes também foi levado ao povo, mas esses eram para seu próprio consumo.

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

O BRUNELLO DI MONTALCINO

 Ao longo de muito tempo o Brunello di Montalcino foi o vinho mais surpreendente que já tinha conhecido.

Franco e Jacopo Biondi Santi

Foi graças a essa experiência de conhecer o vinho, o responsável pelo rótulo mais famoso que também é herdeiro do criador (Sr. Jacopo Biondi Santi) que percebi o produtor de vinho como um agricultor que se transforma em um artesão ou um artista. Nos cursos e palestras para exemplificar, desmistificar, tirar esse caráter elitista, enfim descomplicar costumo dizer que são colonos, caipiras, pois foi a imagem que esse senhor me passou, diante de toda elegância da pessoa, do glamour e badalação em volta do seu vinho, havia um homem que amava as coisas e a simplicidade da terra onde seus vinhos nasciam.

A história da criação desse vinho remonta a primeira metade de século XIX. Na região que tinha (e tem até hoje) uma estrela chamada Chianti, produzia por ali a família do Sr. Clemente Santi. Ele decidiu produzir um vinho de longa guarda, ao redor da cidade medieval de Montalcino, cerca de 40 quilômetros ao sul de Siena, na Toscana (região onde nasceu o Chianti). Sua decisão estava em buscar um vinho diferente do Chianti, assim pesquisou e desenvolveu diferentes clones da principal uva da região, a Sangiovese.