quinta-feira, 5 de março de 2015

Vinhos Mais Baratos, uma realidade cada vez mais próxima!

Recentemente temos visto cada vez mais a presença de rótulos europeus tão baratos quanto chilenos e argentinos. Eu mesmo nessa coluna já mencionei que era difícil conseguirmos equiparar preços e qualidade quando comparávamos vinhos europeus com os do MERCOSUL. O problema sempre foi a diferença de custos e impostos, mas se isso permanece por que então esses rótulos estão chegando?
São várias as razões, na maior parte a justificativa é econômica, mas gostaria de destacar um aspecto bem interessante. Há cada vez mais uma inteligência que os europeus estão usando para vender mais. Simplesmente aproveitando a forma dos países como Chile, Argentina, Austrália, dentre outros para também produzir seus vinhos, ou seja vinhos mais frutados e prontos para beber. A grande diferença entre esses bloco é a qualidade da matéria prima, a uva nesses pontos reúnem condições que propiciam melhores rendimentos e qualidade final.  À bem da verdade europeus, principalmente de Portugal e Espanha, vem se preparando nos últimos 20 anos para entrarem definitivamente nesse mercado de vinhos bons e baratos. Lá atrás com a formação do bloco Europeu eles perceberam que havia um grande filão de mercado que era vender esses vinhos para países como Inglaterra, Franca e Itália, por mais incrível que isso pareça, mas o europeu comum bebe vinhos de 2 a 5 euros no seu dia a dia e são muito satisfatórios. Atingiu o sucesso esperado, assim levar esses produtos para o mundo seria apenas uma questão de tempo, que acaba de chegar!
 O mais curioso é que outros países que tradicionalmente concentravam os produtos de preços mais altos também seguiram o exemplo desses primeiros, assim Itália e França reforçam esse bloco.
Muito em breve começamos a receber mais desses produtos no mercado brasileiro, talvez seja o que falta para pularmos desses pouco mais de 2 litros per capita de consumo e ter o vinho em mais mesas brasileiras.

O que devemos garimpar:

De Portugal, os vinhos do Douro e do Dão, costumam ter uma bela estrutura, corpo e guarda por preços bem interessantes. Os vinhos do Alentejo para quem gosta de fruta e jovialidade. Da Estremadura (Lisboa e Setúbal) vinhos que estão no meio do caminho, tradição e jovialidade unidos, além dos deliciosos vinhos de sobremesa.
Para os brancos, sugiro o vinho verde, sempre o jovem possível, temos no mercado esses vinhos por menos de R$ 25.
Da Espanha, vários, a região de Castilla e León tem concentrado muitos rótulos de qualidade e preço, mas mesmo em regiões tradicionais como Rioja e Ribeira temos também. Imagino que logo, logo teremos também cavas sensacionais por menos de R$ 50.
França, vá para os vinhos do Rhone e Sul, como o Languedoc e fica uma dica, pode apostar nos vinhos com a denominação “Vin de Pays”, tem muitos vinhos que estão classificados assim mas poderiam ser AOC (apelação de origem controlada) facilmente.

Da doce Itália, Puglia e Sicilia, concentram estrutura e jovialidade, alguns com fundo “doce”, da zona mais central a Umbria, que faz vinhos em alguns casos semelhantes à Toscana, mas com preços bem mais baixos e os espumantes do norte.

Enfim, é uma realidade que comprova o ditado chinês: Crise é Oportunidade!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...