quarta-feira, 2 de maio de 2018

Lei Seca?


Esses dias estávamos confabulando sobre a ausência de público em bares, restaurantes e até em lojas especializadas em bebidas.  Evidentemente que a tal “lei seca” entrou na discussão e um dos amigos presentes, morou na França, pontuou que na época ele e a esposa bebiam uma garrafa de vinho durante a refeição sem riscos de serem comprometidos por uma eventual fiscalização.
No Brasil o limite é zero, mas na França é de 0,5g/l para aqueles que têm habilitação há mais de 3 anos.  O fato é curioso, em muitos países há o entendimento de respeitar os que avançam em idade, imagino pelo fato dos mais velhos beberem habitualmente durante as refeições enquanto os jovens na balada. Essa diferenciação ocorre em países como Alemanha, EUA, Nova Zelândia, Grécia, Itália e vários outros, o que não muda é o fato de todos serem penalizados, de alguma forma, quando excedido os limites. As penalidades pelo mundo também são duras, algumas levando a prisão por até dois anos, mas em nenhum país a multa é tão cara quanto no Brasil (quando comparamos ao salário mínimo).

O termo lei seca é relativamente incorreto, uma vez que não é proibido beber, é proibido segundo Código de Trânsito Brasileiro, beber e dirigir.Aliás registro, aproveitando o assunto: 

Por que pagamos a multa e ainda são somados pontos à carteira (CNH)? 
É uma dupla penalização, não? 
Justo seria pontuações para as penalidades graves e gravíssimas.


De um modo geral é permitido beber desde que o resultado fique entre 0,5g/l a 0,8g/l, algo equivalente a duas taças de vinho ou duas latas de cervejas para a média da população brasileira (73Kg homens/62kg mulher – Fonte IBGE). 

Também é possível beber e dirigir desde que aguarde o tempo necessário para que o álcool “evapore” do organismo: na mesma média brasileira os homens levam cerca de 5 horas enquanto a mulher 7 horas. (calcule individualmente na fonte: terra)

Habitualmente uso serviço de transporte quando sei que vou beber (é o que sempre recomendo aos alunos e amigos), e obviamente não defendo o fim da lei seca, mas uma faixa civilizada de consumo faria bem ao vinho, à saúde, ao comércio gastronômico e eventualmente quando profissionais do setor de bebidas precisam beber em serviço!


Para saber mais (fontes):
Sobre a Lei Seca
No Brasil e o mundo (2)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...