domingo, 7 de dezembro de 2008

Novas e Boas II


Pois então, continuo produzindo os textos devidos. Agora o Lellis.
Por uma dessas felizes coincidências estive por duas vezes seguidas privilegiado por ter me deleitado com a cozinha desta cantina.
Primeiro no dia 31 à noite, com minha família, e depois dia 02 na companhia de dois amigos do vinho da importadora Vinoteca. 
É curioso, que mesmo vindo de São Paulo e com uma infinita lista de cantinas que eu mesmo já fui, vim em Curitiba para jantar com a esposa em uma cantina que também está estabelecida em São Paulo (a da Bela Cintra), sim o curioso é que eu argumentei isso com ela quando estávamos decidindo e ela prontamente me respondeu – “mas eu não conheço nenhuma das duas” – dei risada e seguimos para o Lellis do Batel. (Já na terça a sugestão do Lellis era proposital, precisava provar o cabrito....) 
Já enrolei demais, vamos ao que interessa. 
Na sexta, pude observar toda ambientação e freqüência de um dos restaurantes com maior movimento de Curitiba, de fato tivemos que percorrer todo o salão para encontrar uma mesa, isso por que chegamos relativamente cedo. Fomos muito bem atendidos pelo maitre que nos sugeriu um belo prato. No caminho já estava intencionado em comer o fuzzili, pedi então para a esposa escolher o molho: Alla Carbonara, mas queria uma carne – resolvido filé para mim frango para ela, tudo por baixo da massa repleta do belo molho. Um belo jantar finalizado com uma grappa branca, muito bem servida e na temperatura correta.
O Vinho? Pois é minha esposa não está bebendo e as meias garrafas...bem não pude escolher algo que acompanhasse nossa refeição! 

Mas ok, na terça eu bebi, e vou começar pelo vinho: Santa Ema Gran Reserva Cabernet Sauvignon, que foi muito bem com o Cabrito desossado (batatas coradas, brócolis e tagliarine de acompanhamento). 
Era uma conversa informal, falamos muito do mercado dos vinhos em Curitiba, mas não desgrudei dos sabores ali presentes. 
De um modo geral o Lellis tem um ambiente agradável, decorado tipicamente como as cantinas ítalo-brasileiras (uma vez um italiano me disse que esse modelo só existe no Brasil, e eu rebati – aqui faz muito sucesso, nós gostamos muito!!!!) e o serviço é bem feito. A comida é bem feita, está adequada a proposta da casa, gostei muito do que comi nos dois dias. 
E sobre o vinho: Santa Ema é uma bela vinícola chilena, aprecio muito do seu premiado Merlot, mas a escolha foi o cabernet – bom corpo, notas de frutas maduras e toques de baunilha, um vinho maduro pronto para beber.
Serviço: 
Lellis Tratoria
Rua Gonçalves Dias, 51 - Batel
Fone: (41) 3244-7943
www.lellis.com.br


Ficha Técnica: 

Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2005 - Santa Ema – faixa de R$ 60,00
Corte:                    Cabernet Sauvignon
Origem                   Valle del Maipo - Chile
Envelhecimento       10 meses em carvalho francês (6 em garrafa).
Álcool                    14%  
Notas: Vermelho rubi intenso, aromas de tostados e frutas maduras. Paladar é intenso e equilibrado, taninos redondos e aprofundados,bom corpo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...